Obra e processo criativo de José Rufino estão em filme de Rodrigo Areias

Jose-Rufino.jpg

Filme estreia em Portugal

O filme “A Arte da Memória”, documentário dirigido por Rodrigo Areias, o mais importante diretor de Portugal na atualidade, traz o processo criativo do artista plástico paraibano José Rufino. O filme foi lançado na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e agora entra no circuito de cinema de Portugal. Será lançado domingo, em Lisboa, no cinema Nimas.

O filme “A Arte da Memória” explora o processo criativo de três artistas plásticos: os portugueses Daniel Blaufukus e Pedro Bastos e o paraibano José Rufino. Os três abordam perspectivas diferentes de expressão e como a memória de cada um se reflete em suas obras.

Os produtores do filme já conheciam a obra de José Rufino. Eles estiveram aqui em 2014 durante o Cineport – Festival de Cinema da Língua Portuguesa e entraram em contato com ele. A produção filmou com o artista em seu ateliê, na zona metropolitana de João Pessoa, e também acompanhou Rufino na Bienal do Barro, em Caruaru, onde expôs a obra Sublimatio.

José Rufino é um dos mais conceituados e importantes artistas plásticos do Brasil. Possui uma obra ligada a memórias de família e de épocas, que exala em seus desenhos, esculturas e instalações. É Professor do curso de Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba e do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da UFPB/UFPE.

Suas instalações são experiências marcantes, entre elas estão Espaço Colonizado, Respiratio, Laceratio, Plasmatio, Faustus, que ganhou o Prêmio Bravo Prime de Cultura. Sua arte é ligada a memória e ativismo. Participou de cerca de 250 exposições, entre elas as bienais de São Paulo, Mercosul e Havana e duas edições do Panorama da Arte Brasileira. Também foram muitas as exposições individuais, entre elas a do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, Museu Andy Warhol, em Pittsburgh e Palácio das Artes, no Porto. Recebeu o prêmio Mário Pedrosa como Artista Contemporâneo da Associação Brasileira de Críticos de Arte. “A Arte da Memória” deve entrar em breve nas plataformas de streaming.


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

scroll to top