Jean Patrício lança livro sobre a Era Vargas na Academia Pernambucana de Letras


Warning: imagejpeg(/home/maisturismoecult/public_html/wp-content/uploads/bfi_thumb/4ee5e53e-d40f-4fd5-a0f0-66932d1c2aba-1yqlruor38g6uzhwhoxrv2jrm42vtqunxp9n449jnnb8.jpg): failed to open stream: Disk quota exceeded in /home/maisturismoecult/public_html/wp-includes/class-wp-image-editor.php on line 565
4ee5e53e-d40f-4fd5-a0f0-66932d1c2aba.jpg

Obra aborda um dos períodos mais polêmicos do Brasil

O advogado, historiador, professor e presidente do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, Jean Patrício da Silva lança, nesta segunda-feira, 29, no Recife, o livro “A Paraíba na Era Vargas (1940-1945): Elites Políticas e Reforma do Estado”, a partir das 17h no casarão Museu do Escritor Pernambucano, na Academia Pernambucana de Letras.  Uma comitiva de intelectuais sairá de João Pessoa para prestigiar o evento.

O lançamento será durante sessão ordinária conjunta entre a Academia Paraibana de Letras, o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, a Academia Pernambucana de Letras e o Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano.

Na obra, Jean Patrício Silva promove um debate sobre um dos períodos mais polêmicos da história do Brasil, quando Getúlio Vargas governou o país por 15 anos consecutivos. Ele discorre sobre as composições políticas da Paraíba na primeira metade da década de 1940 e que deram origem à formação do antigo Partido Social Democrático (PSD), agremiação da qual Ruy Carneiro, interventor na Paraíba nomeado por Vargas, foi líder até a sua extinção em 1965.

O livro deverá ser lançado em João Pessoa, em breve

O livro também oferece um panorama da crise econômica em que o Estado da Paraíba vivia no início dos anos 40, no contexto da segunda guerra mundial e da grande seca de 1942, assim como as tentativas de superação destas crises durante a gestão de Ruy Carneiro. 

No mesmo evento, também será lançado o livro “Três homens chamados João — uma tragédia em 1930”, da escritora pernambucana e membro da Academia Recifense de Letras, Ana Maria Ventura de Lyra e César. A publicação resgata o drama de João Pessoa, assassinado pelo adversário político João Dantas, que foi morto na Casa de Detenção do Recife; e a morte de João Suassuna, acusado de cumplicidade no homicídio do então governador da Paraíba, vice na chapa de Getúlio Vargas à presidência da República pela Aliança Liberal. Os desdobramentos deste episódio levaram à deflagração da Revolução de 30.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top